10 December 2011

O dia em que a UE abandonou o UK


Uma das primeiras histórias que me contaram quando vim para Londres para me explicarem a relação do UK com a Europa foi a seguinte: "Há uns anos o Eurostar, o comboio que une Londres a Paris e Bruxelas, teve de parar indefinidamente devido a problemas técnicos no túnel da Mancha. As manchetes dos jornais britânicos no dia seguinte eram elucidativas: "A Europa perdeu o acesso ao UK!".
Hoje, depois de David Cameron ter tomado uma decisão histórica de contrariar os restantes 26 países da União Europeia ao rejeitar um novo tratado para proteger o seu sistema bancário, o The Independent tem a seguinte manchete: "The EU leaves Britain". O tablóide "The Sun" é mais eloquente e anuncia "Up Eurs". O Daily Express canta vitória e anuncia que a sua "cruzada" pela saída do UK da Europa está perto de sair vitoriosa.
Mas a situação é mais grave do que parece: no meio do seu triunfalismo há vozes que discordam, nomeadamente dos representantes dos próprios bancos que Cameron tentou salvar. O Financial Times não estava particularmente entusiasmado, até porque os economistas são capazes de olhar para além do curto prazo e prever que esta decisão pode ser a bola de neve que desencadeia uma avalanche de proporções épicas, podendo eventualmente culminar na saída do UK da União Europeia. Os jornais um pouco por toda a Europa parecem concordar:


Deixo para comentadores mais videntes do que eu para tentar decidir se o UK decidiu bem ou mal. Os ingleses protegem os seus interesses e a Europa não quer estar sempre à espera que os ingleses se decidam. Mas como Português (e Europeu) a morar em Londres preocupam-me as possíveis implicações e por isso vou tomar precauções, entre elas a de pedir um passaporte inglês para o meu filho "just in case". Preocupa-me também o futuro da economia inglesa se uma UE hostil começar a tomar decisões que a prejudiquem. Preocupa-me que a Inglaterra possa estar a entrar numa fase em que o seu povo se torna mais xenofóbico e hostil a estrangeiros. E fascina-me que os ingleses tenham preferido continuar a proteger os bancos quando foram estes os grandes responsáveis pela crise.
Mas acima de tudo como emigrante o meu grande problema é que se um dia me disserem a frase favorita dos xenófobos "volta para a tua terra" o país para onde teria de voltar está num estado miserável. Não seria fácil a escolha.